sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Divulgando: uma iniciativa que ajuda a reduzir o desperdício público.


Uma equipe de voluntários fiscaliza município e aumenta dinheiro economizado

Em três anos, a equipe montada por Klein contribuiu, por exemplo, para elevar a economia do Legislativo da cidade - verba não gasta devolvida aos cofres públicos - de R\$ 300 mil para R\$ 8,5 milhões anuais. Ajudou ainda a suspender licitações suspeitas e colocou uma lupa sobre gastos da prefeitura.

Com uma pequena sala, receita mensal de R\$ 6 mil e 35 voluntários, o Observatório Social de São José integra uma rede homônima de ONGs que se espalhou por cidades médias e pequenas do Brasil nos últimos dez anos - e hoje soma mais de 100 entidades em 19 Estados, com atuação forte no Sul do país. Só em Santa Catarina, 19 cidades contam com esse tipo de iniciativa, segundo o site do OSB, o Observatório Social Brasileiro.

Muitas delas, tocadas por voluntários como Jaime Klein, dedicados a monitorar os gastos de municipalidades, evitando excessos, desperdícios e desvios, e ajudando a economizar dinheiro público.

A inspiração é o Observatório Social de Maringá (PR), que surgiu em 2005 após um escândalo de corrupção na cidade. Logo no primeiro trabalho, a entidade paranaense descobriu que uma compra de ácido acetilsalicílico (AAS), ao preço de R\$ 0,009 por comprimido, tinha sido registrada na ata da licitação por R\$ 0,09 - superfaturamento de 900\%. Houve denúncia e restituição de R\$ 63 mil ao erário.

No caso de São José, cidade de 236 mil habitantes vizinha à Florianópolis, o Tribunal de Contas do Estado obrigou neste mês a prefeitura, após denúncias do Observatório Social, a divulgar uma série de informações que faltavam no site da gestão, como relação de veículos oficiais, gastos com combustível e dívidas municipais.

*** Notícia completa aqui!

Sem dúvida alguma, precisamos de mais pessoas e ONGs como essas!

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Divulgando: Programa Talentos para Inovação


O Programa Talentos para Inovação é uma parceria entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com apoio da Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL-NC), destinada a apoiar a capacitação e inserção de profissionais especializados em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (P,D&I) executados em Unidades e Polos Embrapii.
Objetivo geral
Capacitar recursos humanos por meio de sua participação em projetos de P,D&I executados por intermédio das Unidades e Polos Embrapii.
Objetivos Específicos
• Capacitar talentos nas Unidades e Polos Embrapii para atendimento da demanda dos setores público e privado em P,D&I;
• Desenvolver carreiras por meio da participação de mestres e doutores em atividades de P,D&I;
• Incentivar a participação de egressos de programas de formação e capacitação de áreas tecnológicas da Capes e CNPq em projetos de pesquisa aplicada das Unidades e Polos Embrapii;
• Fortalecer parcerias qualificadas entre Unidades e Polos Embrapii, Instituições Científicas e Tecnológicas (ICT) e indústrias;
• Capacitar recursos humanos não só nos aspectos técnicos dos respectivos projetos, como também em questões relacionadas à liderança, empreendedorismo e trabalho em equipe.
Áreas Temáticas
• Bioquímica de Renováveis
• Biotecnologias Ambientais Aplicadas à Recuperação de Áreas Contaminadas e à Valorização de Resíduos do Setor Industrial
• Comunicações Ópticas
• Desenvolvimento e Escalonamento de Processos Biotecnológicos
• Dispositivos para Internet e Computação Móvel
• Eletrônica Embarcada
• Engenharia Submarina
• Manufatura Integrada
• Materiais – Alto Desempenho
• Materiais para Construção Ecoefiente
• Metalurgia e Materiais
• Monitoramento e instrumentação para o meio ambiente
• Polímeros
• Processamento de Biomassas
• Produtos Conectados
• Sistemas Automotivos Inteligentes
• Sistemas de Comunicação Digital e Radiofreqüência
• Sistemas embarcados e mobilidade digital
• Sistemas Inteligentes
• Software e Automação
• Software para Sistemas Ciber-Físicos
• Soluções Computacionais em Engenharia
• Tecnologia de Dutos
• Tecnologia Química Industrial
• Tecnologias em Refrigeração
• Tecnologias em Saúde
• Tecnologias Metal-Mecânica
----------------------------------------------------------------
--------------------------------------------
-----------------------

*** Fonte aqui.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

Divulgando: Conferência da Estaca Fortaleza Brasil



Explicando:
  • Estaca: reunião de várias alas ou ramos. O líder da estaca é o presidente da estaca. 
  • Ala: congregação local que reúne membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias que moram geograficamente próximos. O líder espiritual de uma ala é chamado de bispo.
  • Ramo: o mesmo que ala, só que menor. O líder de um ramo é o presidente de ramo.
* Para saber mais: ver aqui.
* Obs: a Sessão Geral de domingo (25/02) irá começar às 9h.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Carnaval: algumas dicas do que fazer nestes dias.


Dizem que o Brasil só começa depois do carnaval. Embora isso seja um tanto exagerado, não deixa de ter sua parcela de verdade. Já que estamos nas vésperas do carnaval (em alguns lugares já começou), vão aqui algumas sugestões "saudáveis" - especialmente para quem prefere "fugir" da folia e bagunça inerente a esses dias:
  • desligue a televisão e leia um livro;
  • concluir algum projeto iniciado e já atrasado; 
  • colocar os estudos da escola ou faculdade em dia;
  • visite quem você vive prometendo que vai visitar e ainda não foi;
  • ir para um lugar tranquilo para relaxar, mas cuidado com o trânsito;
  • convidar alguns poucos amigos para passar um final de semana em casa mesmo;
  • participar de um retiro espiritual para ter uma "sintonia" melhor que a mostrada pelo mundo;
  • ... esqueci alguma coisa?

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Comparando métodos Runge-Kutta de ordem 2, 3, 4 e 5.

Uso de um passo muito grande para solução de uma EDO, o  método RK-2 apresenta um erro significativo.

Em muitas situações, o método de Runge-Kutta (RK) de 4a. ordem tem precisão suficiente para resolver numericamente uma EDO (equação diferencial ordinária) - ver postagens antigas aqui neste mesmo blog (aqui) - de forma satisfatória. Entretanto, se for necessária uma maior precisão, podemos tentar um método RK de ordem mais elevada. Em casos extremos, um método ordem Runge-Kutta-Nyström ( RKN1210 12a./10a.) pode ser tentado. Nessa postagem, apresentamos uma comparação entre os métodos RK de ordem 2, 3, 4 (forma clássica) e 5 (método sugerido por Butcher - ver aqui a página desse pesquisador aqui). Existem várias fórmulas possíveis para esses métodos, aqui apresentamos as mais comuns. São elas:

RK-2:
\begin{align*} K_1 & = hf(t_k,y(t_k)) \\ K_2 & = hf(t_k + h,y(t_k) + K_1) \\ y(t_{k+1}) & = y(t_k) + \frac{K_1+K_2}{2}\\ t_{k+1} & = t_k + h \end{align*}
RK-3:
\begin{align*} K_1 & = hf(t_k,y_k) \\ K_2 & = hf(t_k + h/2,y_k + K_1/2) \\ K_3 & = hf(t_k + h,y_k + K_2) \\ y_{k+1} & = y_{k} + \frac{1}{4}(K_1 + 2K_2 + K_3)\\ t_{k+1} & = t_k + h \end{align*}
RK-4: \begin{align*} K_1 & = hf(t_k,y_k) \\ K_2 & = hf(t_k + h/2,y_k + K_1/2) \\ K_3 & = hf(t_k + h/2,y_k + K_2/2) \\ K_4 & = hf(t_k + h,y_k + K_3) \\ y_{k+1} & = y_{k} + \frac{1}{6}(K_1 + 2K_2 + 2K_3 + K_4) \\ t_{k+1} & = t_k + h \end{align*}
RK-5:
\begin{align*} K_1 &= h f(t_k,y_k);\\ K_2 &= h f(t_k+h/4,y_k+K_1/4);\\ K_3 &= h f(t_k+h/4,y_k+(K_1+K_2)/8);\\ K_4 &= h f(t_k+h/2,y_k+(K_3 - K_2/2));\\ K_5 &= h f(t_k+3*h/4,y_k+(3 K_1 + 9 K_4)/16); \\ K_6 &= h f(t_k+h,y5kb+(-3 K_1+2 K_2+12 K_3 - 12 K_4 + 8 K_5)/7); \\ y_{k+1} &= y_k + (7 K_1 + 32 K_3 + 12 K_4 + 32 K_5 + 7 K_6)/90; \end{align*}

Iremos testar a EDO:
\begin{equation*} \frac{dy}{dx} = \exp(-x^2/2) - yx; \end{equation*}
cuja solução analítica é \begin{equation*} y = (x+1)\exp(-x^2/2); \end{equation*}
usando os métodos RK descritos acima. Para saber mais sobre os métodos RK para solução de EDOs ver aqui e aqui.

Gráficos:


Comparação da solução analítica com as soluções numéricas. 

Menor erro para os métodos RK de ordem mais alta.

Com um passo $h$ menor, menores os erros de todos os métodos.

Os métodos de ordem mais alta apresentam uma redução do erro ainda melhor que os métodos de baixa ordem.

Erro acumulado em função do passo $h$.

"Zoom" da figura anterior: se o passo for muito pequeno, erros de arrendondamento predominam e diminuem a acurácia.

Código Scilab:

//// Runge-Kutta: comparações
clc; clear; xdel(winsid()); // limpando e fechando janelas

function f=fd(x, y)   //função - EDO
//    f = 9.8 - 0.1*y.*y;
   f = exp(-x.*x/2) - y.*x;
//    f = -y +2*exp(-x).*cos(2*x);
//    f = 2*y./(exp(x)+1) + (2.0)./(exp(2*x)+2*exp(x)+1);
//    f = -2*y + 2*x.*exp(-2*x);
endfunction

function g=ff(x)   //função - solução analítica
    k = 7*sqrt(2)/5;
//    g = sqrt(98)*(1-exp(-k*x))./(1+exp(-k*x));
    g = (x+1).*exp(-x.*x/2);
//    g = exp(-x).*sin(2*x);
//    g = (exp(x)-1)./(exp(x)+1);
//      g = x.*x.*exp(-2*x);
endfunction

h = 0.4; // passo inicial
vh = zeros(10,1); verros = zeros(10,4);
v1 = 1-sqrt(1/2); v2 = 1+sqrt(1/2);
for kh=1:10
    h = h/2; vh(kh) = h;
    fim = round(5/h);
    x0 = 0; y0 = ff(x0);  xk = x0;
    x = zeros(1,fim); x(1) = x0;
    y2 = zeros(1,fim); y2(1) = y0; y2k = y0; // RK-2
    y3 = zeros(1,fim); y3(1) = y0; y3k = y0; // RK-3
    y4 = zeros(1,fim); y4(1) = y0; y4k = y0; // RK-4
    y5b = zeros(1,fim); y5b(1) = y0; y5kb = y0; // RK-5b

for k=2:fim
    // RK2:
    k1 = h*fd(xk,y2k);
    k2 = h*fd(xk+h,y2k+k1);
    y2k = y2k + (k1 + k2)/2;
    y2(k) = y2k;
 
    // RK3:
    k1 = h*fd(xk,y3k);
    k2 = h*fd(xk+h/2,y3k+k1/2);
    k3 = h*fd(xk+h,y3k+k2);
    y3k = y3k + (k1 + 2*k2 + k3)/4;
    y3(k) = y3k;

    // RK4:
    k1 = h*fd(xk,y4k);
    k2 = h*fd(xk+h/2,y4k+k1/2);
    k3 = h*fd(xk+h/2,y4k+k2/2);
    k4 = h*fd(xk+h,y4k+k3);  
    y4k = y4k + (k1 + 2*(k2 + k3) + k4)/6;
    y4(k) = y4k;

    // RK5 - Butcher:
    k1 = h*fd(xk,y5kb);
    k2 = h*fd(xk+h/4,y5kb+k1/4);
    k3 = h*fd(xk+h/4,y5kb+(k1+k2)/8);
    k4 = h*fd(xk+h/2,y5kb+(k3 - k2/2));  
    k5 = h*fd(xk+3*h/4,y5kb+(3*k1 + 9*k4)/16);  
    k6 = h*fd(xk+h,y5kb+(-3*k1+2*k2+12*k3 - 12*k4+8*k5)/7);  
    y5kb = y5kb + (7*k1 + 32*k3 + 12*k4 + 32*k5 + 7*k6)/90;
    y5b(k) = y5kb;

    xk = xk + h;
    x(k) = xk;
end

ya = ff(x);  // função analítica - teórica.
// Erros e somas dos erros absolutos:
e2 = abs(y2-ya); s2 = sum(e2);
e3 = abs(y3-ya); s3 = sum(e3);
e4 = abs(y4-ya); s4 = sum(e4);
e5b = abs(y5b-ya); s5b = sum(e5b);
verros(kh,:) = [s2, s3, s4, s5b];

if kh==1 then  // Gráficos:
    figure; plot(x,ya,x,y2,x,y3,x,y4,x,y5b);
    title(['Passo h: ',string(h)]);    
    xlabel('Eixo - tempo'); ylabel('Função');
    legend('y(t)','RK2','RK3','RK4','RK5b');
    figure; plot(x,e2,x,e3,x,e4*100,x,e5b*1e3);
    legend('RK2','RK3','RK4 x 100','RK5b x 1e3');
    title(['Erro acumulado: ',string([s2, s3, s4, s5b])]);
    xlabel('Eixo - tempo'); ylabel('Erro');
end;
if kh==8 then  // Gráficos:
    figure; plot(x,ya,x,y2,x,y3,x,y4,x,y5b);
    title(['Passo h: ',string(h)]);    
    xlabel('Eixo - tempo'); ylabel('Função');
    legend('y(t)','RK2','RK3','RK4','RK5b');
    figure; plot(x,e2,x,e3,x,e4*1e5,x,e5b*1e6);
    legend('RK2','RK3','RK4 x 1e5','RK5b x 1e6');
    title(['Erro acumulado: ',string([s2, s3, s4, s5b])]);
    xlabel('Eixo - tempo'); ylabel('Erro');
end;
end;

// Erros em função do passo h:
verros = log10(verros);
figure; plot(vh,verros,'-o');
legend('RK2','RK3','RK4','RK5b',4);
title('Erro acumulado'); xlabel('Tamanho do passo h');
ylabel('Erro acumulado - escala log.');

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Divulgando: Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica abre 820 vagas para todo o Brasil


Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) divulgou o edital do primeiro processo seletivo de 2018. Trinta e seis Institutos Federais de todo o Brasil ofertarão o total de 820 vagas para o mestrado semipresencial, sendo metade reservada para servidores das instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, e a outra parte destinada ao público externo.
 No Instituto Federal Fluminense (IFF), um dos polos do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica, serão ofertadas 24 vagas. Os interessados deverão realizar as inscrições no período de 15 de fevereiro a 4 de março de 2018, no site do programa.
 Para se inscrever, o candidato deverá preencher um formulário eletrônico – com dados pessoais, acadêmicos e profissionais –, selecionar a instituição de interesse e indicar se deseja concorrer a vagas reservadas para servidores ou ampla concorrência. A taxa de inscrição, no valor de R$ 70,00, poderá ser paga até o dia 5 de março. O período para solicitação de isenção da taxa será de 15 a 21 de fevereiro para inscritos no CadÚnico e pertencentes a famílias de baixa renda. 
 O exame nacional será aplicado no dia 15 de abril, com prova composta de 30 questões objetivas e uma discursiva. O resultado final será divulgado em 4 de junho, no site do programa. As aulas iniciarão em agosto.
 Programa – O ProfEPT é um programa de pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica, com um mestrado profissional em Educação Profissional e Tecnológica em rede nacional, da área de Ensino, reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Idealizado pelo Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), tem como objetivo proporcionar formação em educação profissional e tecnológica, visando tanto a produção de conhecimento como o desenvolvimento de produtos, por meio da realização de pesquisas que integrem os saberes inerentes ao mundo do trabalho e ao conhecimento sistematizado.
 Todas as informações estão no Edital N.º001-2018 AQUI.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Divulgando: uma vaga para pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação do Instituto Federal do Ceará (IFCE)




Estamos com uma vaga para pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação do Instituto Federal do Ceará (IFCE) (http://ppgcc.ifce.edu.br).

Favor manifestar interesse até Sexta-feira, 02/03/2018.
* Requisito: Doutorado em Ciência da Computação, Engenharia da Computação, Informática ou em áreas relacionadas à área de Ciência da Computação.
* Remuneração: R$ 4.100,00 (mensal).
* Duração: 12 meses com possibilidade de extensão.
* Extras: Auxílio para participação em eventos científicos e possibilidade de interação/colaboração com diversos grupos de pesquisa na academia e na indústria.
* Início Previsto:10/03/2018
* Áreas possíveis de atuação:
    * Inteligência Artificial
    * Processamento de Imagens e Sinais
    * Internet of Things
    * Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos
    * Sistemas Embarcados

Para os interessados, peço que acessem a página para inscrição: http://ppgcc.ifce.edu.br/?page_id=9230